terça-feira, 26 de outubro de 2010

"Para um escritor criativo, a posse da "verdade" é menos importante que a sinceridade emocional".
(George Orwell)


(In)Verso

Do fundo do espelho embriagado
Viu teus olhos no reflexo invertido
Buscou os cacos da tua embriaguez
No infinito da dimensão refletida
E, de dentro dos olhos distantes
O sol mostrou sua vida espelhada
Um coração bateu sem sentir
Vida no fim do por do mesmo
Lua, não havia,
Era dia na embriaguez da vida.

Raoni Silva Moura










Corvo

Na noite escura ele passeia,
Corta o céu, voa, faz curva,
Corvo.

No dia claro ele descansa,
Esconde o sol, soa, faz cova,
Corvo.

No fim da tarde eu acordo,
Estico o corpo, tusso, faço caça,
Estorvo.

Raoni Silva Moura

3 comentários:

Yara disse...

no espelho
cacos de sol
coração refletido
(in) vertendo vida.


..............


Obrigada pelas visitas. Sigo e volto sempre também.

Inté.

Vampira Dea disse...

Espelhos sedutores e assustadores, nos dizem verdades que não queremos ver, neles nos reconhecemos ou não, olhando o ser mais difícil de ser encarado: nós mesmos

minicontosperversos disse...

Caros:

Achávamos que já tínhamos respondido por aqui, mas pode ter sido um chiste.

A IV Semana da Contribuição já está fechada. Mas vocês podem mandar já sua contribuição para a V Semana, que acontecerá daqui a mais ou menos um mês!

Abraço!