domingo, 10 de outubro de 2010

"Eu não sabia o que era oblíqua, mas dissimulada sabia, e queria ver se se podiam chamar assim. Capitu deixou-se fitar e examinar. Só me perguntava o que era, se nunca os vira; eu nada achei extraordinário; a cor e a doçura eram minhas conhecidas."
(Dom Casmurro - Mestre Machado de Assis)


Por ti

Se te amo e digo-te que quero
é porque bate, no peito, um coração
parado, num movimento cíclico,
quadrado, tipo volta ao mundo,
tudo, como aquilo que é nada,
basta, mas não sacia,
bate, no peito, amor por ti.

Raoni Silva Moura

4 comentários:

CArol disse...

Interessante esse poema sem pontos finais. Difícil e bonito. Acho que como esse amor.

Excelente epígrafe.

Não tenho muito a comentar, é necessário reler um pouco mais.

João disse...

Enrolei no Rosa de Papel! :D

Mary disse...

que lindo! deve ser pra uma pessoa mto especial! rsss
parabesn, bjo!

Renata Tolentino disse...

Olá! Desculpe a demora para responder seu comentário hehehe Obrigada pelo elogio, mas realmente me falta ainda um pouco mais de coragem pra explorar a poesia! Mas estou tentando! rsrsrsrs Que bom que gostou! E parabéns, suas poesias e tudo do blog está cada vez mais bonito, seu talento para escrever, é de fato, indiscutível... Gosto muito de passar por esse blog, sempre muita qualidade de leitura na certa... Abraços